13 de agosto de 2006

HQ LUANA

Photobucket - Video and Image Hosting
Luana,
de Haroldo Macedo

********************
HQ LUANA QUER RESGATAR A AUTO-ESTIMA
DA CRIANÇA NEGRA


por Sidney Gusman,
do site www.universohq.com (25/02/05)

Foi lançado recentemente, no Rio de Janeiro, o Projeto Luana, cujo objetivo é combater o preconceito racial, auxiliando, com o uso de HQs, pais e professores na abordagem de assuntos relacionados à etnia e à cultura negra.

São 12 revistas em quadrinhos de 32 páginas (as seis primeiras edições já saíram em bancas, entre 2000 e 2001, com distribuição nacional) e o livro Luana e as sementes de Zumbi, no qual a protagonista viaja no tempo e retorna à época do Quilombo dos Palmares, encontrando-se então com o líder Zumbi.

Photobucket - Video and Image Hosting

Luana é negra, tem oito anos, joga capoeira e possui um berimbau mágico, que a transporta no tempo e espaço. Sua turminha é composta por crianças de várias etnias, promovendo a diversidade racial. Em cada edição da revista, a seção Causos da Vovó Josefa apresenta contos ambientados no continente africano, antes da escravidão.

O mentor desse valoroso projeto é o carioca Aroldo Macedo, um dos responsáveis pela criação da revista Raça, um grande sucesso editorial da década passada.

Photobucket - Video and Image Hosting

Os roteiros de Luana são de Dejair da Mata, que já trabalhou nos Estúdios Mauricio de Sousa e com o Senninha. Os desenhos são dele e de Mingo de Souza. A produção dos gibis e do livro é de Alexandre Silva.

O pacote completo das publicações é oferecido a entidades, organizações não-governamentais, secretarias de cultura e escolas, e inclui a realização de palestras e seminários, que auxiliam professores na aplicação do material em sala de aula.

A primeira tiragem (8.500 exemplares) das revistas em quadrinhos, já foi enviada para a Secretaria da Cultura de Belo Horizonte, para ser distribuída nas escolas.

Para conhecer mais sobre o projeto, é só acessar o www.luana.com.br
ou ligar para 0XX-21-2549-9394 ou 0XX-21-9702-7965.

********************
GIBIS DA LUANA CHEGAM ÀS ESCOLAS DA BAHIA

por Marcelo Naranjo,
do site www.universohq.com (21/09/05)

Photobucket - Video and Image Hosting

Luana, a primeira heroína afro-brasileira das HQs, cujas histórias procuram resgatar a auto-estima da criança negra, chega agora às escolas da cidade de Salvador/BA.

A Secretaria Municipal de Educação e Cultura irá distribuir, a partir do mês de outubro, kits contendo as 12 edições da revista Luana e sua Turma e o livro Luana e as Sementes de Zumbi, para 361 escolas da rede municipal de ensino.

O objetivo da ação é efetivar a implementação da Lei Federal 10.639/2003, que determina a obrigatoriedade do ensino da história da África e seus povos no conteúdo pedagógico das escolas. Para isso, cerca de 200 professores estarão utilizando o material como apoio didático.

Photobucket - Video and Image Hosting

O autor e coordenador do projeto é o carioca Aroldo Macedo, com desenhos de Mingo de Souza e Dejair F. Mata, e colorização e letras de Alexandre Silva.

A equipe comemora também a adoção das publicações pelas prefeituras de Belo Horizonte e Niterói.

*******************
ALUNOS DA REDE MUNICIPAL TERÃO ACESSO ÀS HISTÓRIAS DA PRIMEIRA HEROÍNA INFANTIL AFRO-BRASILEIRA
www.smec.salvador.ba.gov.br

PROFESSORES PARTICIPAM DO SEMINÁRIO "ESQUECERAM DE MIM"

A Secretaria Municipal da Educação e Cultura promoveu, entre os dias 08 e 09 de setembro, na Biblioteca Central dos Barris e na Bienal do Livro (Centro de Convenções), o seminário “Esqueceram de Mim”, ministrado por Aroldo Macedo, diretor da Tronics, empresa voltada para a criação e produção de projetos especiais; idealizador da revista Raça e criador do projeto Luana. A personagem Luana é a primeira heroína afro-brasileira infantil da história do Brasil, representando uma proposta de utilização dos quadrinhos como elemento de integração e afirmação racial. Na turma de Luana, além da protagonista, também participam crianças de outras etnias, visando representar a sociedade brasileira em toda sua plenitude.

De acordo com Aroldo Macedo, o primeiro livro foi lançado em 2000. A personagem Luana gosta de ler e estudar, e é capoeirista. Através do seu berimbau mágico, ela é transportada ao passado. “Partimos das fábulas para estimular o conceito de igualdade em crianças de todas as etnias”, afirmou Haroldo Macedo.

O seminário teve como objetivo conscientizar os educadores da rede municipal sobre a necessidade das crianças afro-descendentes construírem a sua identidade racial, auto-estima e cidadania. Ainda neste segundo semestre letivo, todas as 360 unidades da rede municipal de ensino receberão um kit composto pelos livros “Luana: a menina que viu o Brasil Neném” e “Luana e as sementes de Zumbi”, além de 12 revistas em quadrinhos.

Cerca de 200 docentes participaram do Seminário “Esqueceram de Mim”. Trata-se de uma ação da implantação da lei federal 10.639/03, que determina o ensino de História da África e Cultura Afro-brasileira. Neste ano letivo, Salvador tornou-se a primeira capital do país a implantar a Lei 10.639/03 na rede pública.

Durante o evento, a secretária Municipal de Educação e Cultura, Olívia Santana, frisou que “a escola tem o desafio de formar cidadãos e precisa ir além do ato de ensinar a ler e a escrever. O professor tem a tarefa de trabalhar a consciência dos seus alunos e isso não pode ficar restrito a alguns. Tem que ser dever de todos e todas”, afirmou.

A abertura do seminário contou com a presença do secretário municipal da Reparação, Gilmar Santiago.

********************
PROFESSORES CONHECEM LUANA HEROÍNA AFRO-BRASILEIRA
do site www.salvador.ba.gov.br (09/09/2005)

Com o objetivo de conscientizar os educadores da rede municipal sobre a necessidade de as crianças afrodescendentes construírem a sua identidade racial, auto estima e cidadania, a Secretaria Municipal da Educação e Cultura (SMEC) promoveu, no último dia 8, na Biblioteca Central dos Barris, o seminário ¿Esqueceram de mim¿, coordenado pelo educador Aroldo Macedo, diretor da Tronics, empresa voltada para a criação e produção de projetos especiais, idealizador da revista Raça e criador do projeto Luana.

A personagem Luana, primeira heroína afro-brasileira infantil da história do Brasil, representa uma proposta de utilização dos quadrinhos como elemento de integração e afirmação racial, sendo divulgada por uma editora especializada em títulos direcionados para a população afro-brasileira. Na turma, além da protagonista, também participam crianças de outras etnias, visando representar a sociedade brasileira em toda sua plenitude. As histórias buscam mergulhar fundo no imaginário infantil.

Darci Xavier, presidente da comissão da Lei 10.639/03, afirma que a implantação do projeto Luana é importante, porque trabalha com a auto-estima das crianças, dando-lhes condições para que elas assumam sua própria personalidade. O projeto Luana trabalha com o reconhecimento da identidade positiva. Na verdade, trata-se de mais uma atitude para que as diretrizes da Lei 10.639/03 sejam implantadas na rede municipal de ensino.

Durante o encontro a secretária Maria Olívia Santana destacou a importância dos docentes e o papel da escola na vida dos alunos. ¿A escola tem o desafio de formar cidadãos e isto está muito acima do ato de ensinar a ler e a escrever. O professor tem a tarefa de trabalhar a consciência dos seus alunos e isso não pode ficar restrito a alguns. Tem que ser dever de todos e todas¿, afirmou.

A secretária anunciou que, no próximo dia 19, assinará mais um protocolo de intenções com a Secretaria Especial de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR), para promover a produção de material sobre a Lei 10.639/03.

O seminário reuniu cerca de 300 diretores e coordenadores regionais. Além da secretária Maria Olívia, esteve presente a assessora Ubiraci Matildes, representando o secretário Gilmar Santiago, da Secretaria Municipal da Reparação (Semur), e a professora Gerusa Romão, representando a Secad.

********************
QUE FALTA LUANA ME FEZ

por Cinthia Gomes
do site www.facasper.com.br

Uma protagonista negra, de trancinhas e com um berimbau mágico. Mais uma maneira para milhões de crianças Brasil afora compreenderem um país multirracial, onde as relações devem ser baseadas em respeito e as origens são motivo de orgulho: Luana é uma oportunidade para se aprender e ensinar tudo isso. “É a primeira heroína infantil negra do Brasil. Ela tem família, mora com o pai, a mãe, o irmãozinho e a avó e tem amigos de diferentes etnias. Joga capoeira e seu berimbau é mágico, que a faz viajar no tempo”, diz o criador da personagem, Aroldo Macedo.

No primeiro livro, Luana, a menina que viu o Brasil neném, editado pela FTD, o berimbau, após ser atingido por um raio, adquire poderes mágicos e leva a protagonista à época em que as primeiras naus portuguesas aportaram por aqui. No mais recente, Luana e as sementes de Zumbi, a menina de 8 anos sai do Cafindé, comunidade fictícia remanescente de quilombos, ao encontro de Zumbi dos Palmares. Os livros narram as viagens no tempo e a série de 12 gibis, as aventuras de Luana contra Fumaça Mortal, o vilão que polui o meio-ambiente. Os gibis e o segundo livro são editados pela Toque de Mydas, editora do autor.

Os livros, escritos com o jornalista Oswaldo Faustino, são voltados à educação e à diversão e foram adotados nas escolas públicas de Belo Horizonte, Niterói e Salvador. A adoção dos livros é acompanhada por oficinas de capacitação para os professores de ensino fundamental e encontros com os alunos. “A criançada fica louca! Muitas delas falam pra mim: ‘eu sou a Luana’ e, às vezes, não são nem parecidas, mas elas se identificam na cor, no cabelo”, conta Macedo, recém-chegado de uma oficina realizada com 200 professores de Salvador.

“A receptividade é total. Havia a necessidade desse material, e as pessoas não sabiam como preencher essa lacuna”. Os livros e os gibis caem como uma luva para o cumprimento da Lei Federal nº 10.639/03, que determina a inclusão da temática “História e Cultura Afro-Brasileira” no currículo oficial da rede de ensino.

A idéia surgiu a partir de uma história que a dentista de Macedo lhe contou: uma criança negra entrou em depressão porque queria ter o cabelo igual ao da Xuxa, então a mãe comprou uma peruca loira. Do choque diante do caso e da constatação de que a criança negra não tem em quem se espelhar, nasceu Luana. “A criança negra se vê refletida nela e eleva sua auto-estima”, conta Macedo. Além da aprovação dos pequenos leitores, conta com a colaboração de Amanda, sua filha de 11 anos, para escrever as novas aventuras de Luana.
*******************

Photobucket - Video and Image Hosting
Aroldo Macedo
do site www.ewfbrasilfanclub.com.br

******************
Photobucket - Video and Image Hosting
LUANA: A MENINA QUE VIU O BRASIL NENÉM
Livro de Aroldo Macedo e Oswaldo Faustino

Luana, uma pequena capoeirista, nos leva à uma viagem no tempo. Quando toca o seu berimbau mágico, ela se transporta para a época do descobrimento do Brasil. Junto a ela, podemos aprender muito sobre as raízes e povos da nossa cultura.

Editora: FTD
ISBN: 8532243924
Ano: 2000
Edição: 1
Número de páginas: 48
Acabamento: Brochura
Formato: Médio

Capoeira, história e diversão

por Flávia Marina

Com muita ginga e graciosidade a pequena capoeirista Luana nos leva à uma grande aventura: a história do descobrimento do Brasil. A encantadora menina de oito anos, quando toca o seu berimbau mágico, viaja através do tempo e nos leva junto para a época do descobrimento do nosso país. Entre um golpe e outro de capoeira e ao som do berimbau, Luana nos conta a história do seu povo, os afro-brasileiros, que foram escravos na época em que o Brasil ainda era um neném. Nos conta também sobra a vida dos índios que aqui viviam antes da chegada dos portugueses. Sempre se divertindo e viajando pela história, Luana participa da chegada das caravelas de Pedro Álvares Cabral nas praias brasileiras e nos conta qual foi a reação dos índios quando viram aquelas estranhas pessoas, cheias de roupas. Uma irresistível aventura infanto-juvenil através dos tempos sobre as raízes da nossa cultura e a importância das diferentes raças na formação do povo brasileiro.

do site da www.submarino.com.br

3 comentários:

Vitor Vanes disse...

Muito Bom essa personagem! Não tinha conhecimento! Agora nossas crianças vão ter um verdadeiro referêncial afro-brasileiro! Por que Xuxa é "Chata" prá cassete!E ainda troca palavras que se usam ch por x !
Vai pro diabo que ti carregue loira burra!

All power to the people !!

Fabio Cruz disse...

Ola satira gostaria de falar com vc, via telefone, poderia me enviar um email para fabiocruzlazaro@hotmail.com com o seu contato.

abraço

Leonel disse...

Olá,
Sou mestre de capoeira no Rj e apliquei dois livros da coleção de as aventuras de Luana e foi muito proveitoso , mas o representante da editora não vem mais no nosso bairro e eu gostaria de saber como fazer para adquirir além dos livros " As Sementes de Zumbi" e "A Menina que viu o Brasil nenem", o HQ Luana para dar continuidade ao trabalho, pois o material é muito bom.
Grato
Leonel lopes ( mestre Brizola)